segunda-feira, 29 de junho de 2009

Enfim, realizado o sonho da Zubrówka própria


Desde que conhecemos a inesquecível Zubrówka no simpático A Polonesa, no Rio de Janeiro, temos tentado comprar uma garrafa da delícia. Infelizmente, não se acha por aqui e, importando, o preço é nada menos do que extorsivo. Pesquisando dia e noite, aprendi quase tudo sobre a danada, desde a sua história, a erva que dá o seu sabor especial, e até como reproduzí-la em casa... enfim, só não descobri como arrumar uma.

Eis que, conversando amenidades com o grande Roger, comentei sobre as minhas fracassadas tentativas de adquirir uma garrafa da deliciosa vodka polonesa e ele respondeu com a maior naturalidade do mundo: "Ah, eu devo ter umas sobrando em casa, você quer?". Eu mal pude acreditar. Depois de semanas de pesquisa infrutífera acabei descolando a garrafa de presente. Aliás, um presentaço, que ganhou lugar de honra no freezer lá de casa.

Valeu, Roger!

Rigatoni a bolonhesa


Esta é uma receita suculenta, fácil de fazer, e deliciosa nos dias frios. O segredo está na mistura de carnes bovina e suína e no vinho branco, que doa sabor especial ao molhão encorpado. Acompanhe com parmesão ralado e um bom tinto!

Rigatoni a bolonhesa

[Ingredientes - para duas pessoas]
250g de rigatoni grano duro, cozido al dente
500 g de molho de tomates caseiro
200 g de patinho moído
200 g de pernil moído
1 cebola bem picada
1 colher de sopa cheia de azeite
100 ml de leite
200 ml de vinho branco seco
Sal e pimenta do reino a gosto
Folhas de louro

[Preparo]
Refogue a cebola no azeite e, quando estiver transparente, adicione toda a carne moída, previamente temperada com sal e pimenta do reino. Quando estiver bem cozida, e com o caldo quase seco, acrescente o leite. Mexa até que a mistura engrosse e, em seguida, adicione o vinho branco. Refogue até que todo o líquido evapore e, aí, acrescente o molho de tomates caseiro. Quando estiver bem encorpado, junte uma ou duas folhas de louro, cozinhe por mais um minuto, e está pronto. Sirva sobre a massa, bem quente.

terça-feira, 23 de junho de 2009

Artesanalli - Massas e Molhos


Mais uma de Campinas: a nossa cantina preferida da cidade, Artesanalli Massas e Molhos, foi a visita mais festejada do final de semana. Há anos frequento a casa, que antes era modesta e mais afastada, e hoje é linda, grande e pertinho de casa. O que não muda nunca: os queridos do atendimento, a comida farta e muito, muito saborosa, o cardápio super variado, a casa sempre cheia e animada. Por essas e outras, Marcio também é fã, e sempre passamos por lá, seja pra comer ali mesmo, seja para levar as delícias para casa - a rotisserie do restaurante é super boa, também.


O couvert é aquela delícia: pães italiano, de ervas finas e mandioquinha, preparados na casa; pasta de queijo e ervas muito da boa; antepasto de abobrinha, berinjela e pimentão no capricho; sardela e manteiguinha. A R$ 6,80 por pessoa.


Para beber, não inventamos moda e fomos logo no "já de casa" Alamos Malbec (R$ 53,00). Vale dizer que a carta tem ótimas opções, de diversos lugares do globo, a bons preços.


O comidão da vez foi o fortificado Filetto Siena, filé ao molho de gruyère, acompanhado de massa curta ao molho de queijo suave e castanha de caju picada (R$ 62,50 a porção para dois – mas, para as duplas menos esfomeadas, a porção individual serve bem!).

De sobremesa, novamente fomos pelo caminho seguro, e nos divertimos com sorvetes La Basque, a R$ 9,80 a taça de duas bolas.

Quem é de Campinas ou cercanias e não conhece essa simpatia de lugar, que reserva massas gostosas e fresquíssimas e um dos mais calorosos atendimentos da região, não pode mais perder tempo!

Artesanalli Massas e Molhos
www.artesanalli.com.br/
Rua Padre Almeida, 735, Cambuí, Campinas-SP. F: 3255-5392.

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Mag Dog


Para quem cai na noite campineira, o melhor lugar para recarregar as baterias depois de tomar todas é o Mag Dog. Lá é vendido um dos melhores (e maiores) cachorros quentes da cidade. E são várias opções de recheio, como chili, frango com catupiry e até mesmo pernil, sempre acompanhando o cachorro "básico", que já leva purê, vinagrete, milho, ervilha, ketchup, mostarda, parmesão ralado, azeitonas fatiadas, entre outras tranqueiras deliciosas!


Na última visita, fomos de Catu-Frango e Catu-Chilli, cada um a R$ 9,00. Pode parecer muito por um cachorro quente, mas o tamanho e o conteúdo justificam cada centavo.


Outro delicioso diferencial da casa é o trio de molhos para acompanhar os lanches. Vinagrete, curry com ervas e alho, esse último, eleito pelos populares e publicações regionais como o "melhor molho de alho de Campinas". Faz toda a diferença, mesmo! Tudo isso sem cobrar nenhum adicional, claro.

A cerveja, agora ítem fixo do cardápio (antes só havia bebidas não alcoólicas), nos custou R$ 3,90.

Imagina quanto esse lanchinho sairia em São Paulo...

Mag Dog
www.magdog.com.br/
Rua Dona Joana de Gusmão, 21, Balão do Timbó (Guanabara), Campinas-SP. F: 3242-8884.

domingo, 14 de junho de 2009

Mulligan Irish Pub


Num dia em que a TPM castigava e as "dores de amores" arranhavam o coração, tudo o que eu precisava pra tentar melhorar minimamente, sacodir a poeira e dar a volta por cima era de um bom vinho, comida quentinha e revigorante, num ambiente acolhedor e de preços não absurdos. Pois tudo isso falhou, terrivelmente, quando optei por conhecer o Mulligan Irish Pub, nos Jardins.

O lugar, ultra vazio, já mostrava que havia algo errado para um espaço mega bem localizado, numa quarta à noite, com jogo rolando nas belas TVs de plasma. Enfim, o bode fez eu parar por ali mesmo. Erro primário!

1) Passamos a noite sendo mal atendidos e aturando, inclusive, ironias e mal criação de uma funcionária, nitidamente recém-contratada.


2) Comemos um couvert sem graça (R$ 6,50 por pessoa), pedimos para repor os pães, mas eles só chegaram depois da comida – que, aliás, demorou muito, mas muito tempo para sair, também. Ou seja, passamos esse tempão sem nada para beliscar, e implorando para a chegada dos pães antes da refeição. Não rolou.


3) O Irish Stew (R$ 31,40) do Marcio veio sem graça, sem cor, e meu medalhão de filé com cammembert e penne ao molho de queijos (R$ 37,50) veio cortado ao meio, esturricado – não, eu não pedi para que eles cortassem a peça ao meio porque curto sola de sapato, eles decidiram por mim!


4) Ok, a gerente boazinha ouviu minha reclamação, levou meu filé de volta, e retornou com uma carne num ponto bem melhor. Mas aí, já havia se passado meia hora, o Marcio já havia jantado, e eu estava comendo na mais profunda solidão. Muito bom para meu estado de espírito naquela noite gelada.


5) Ah, sim, o vinho. Resolvemos arriscar um desconhecido Sur de Los Andes Bonarda (R$ 57). Ruim.

*O que estava bom era o cremoso e impecável cheesecake de Bailey's (R$ 11,70). Este, sim, vale alguma atenção.

Mulligan Irish Pub
www.mulligan.com.br
Rua Bela Cintra, 1579, Jardins. F: 3892-1284.

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Zucco


A maior parte dos jornalistas e blogueiros de gastronomia já conhecia, e falava bem. Alguns, claro, não tiveram tanta sorte assim. Nós morríamos de curiosidade, mas nunca dava certo de aparecer por lá. Até que, finalmente, fomos conhecer o Zucco, restaurante da Haddock Lobo que bombou no começo do ano.

Ficamos impressionados com o ambiente, moderno e com ares de restaurante de hotel. O bonito bar e o grande forno a lenha aos fundos, marca da casa, também chamam atenção. A música ambiente, gostosa e no volume certo, deixa tudo mais confortável. E o atendimento camarada e atencioso fecha a carta de boas impressões.


Começamos com couvert sem surpresas (R$ 9,00 por pessoa), no qual precisamos destacar, de um lado, um patê de presunto suspeito e, de outro, uma focaccia bem gostosinha.


Para bebericar, o gostoso e bem recomendado (pelo sommelier local) Errazuriz Sauvignon Blanc 2008 (R$84,00). Veio na temperatura ideal, e acompanhou muito bem a refeição.


Ainda de entrada, resolvemos experimentar uma das delícias do forno a lenha, a focaccia Zucco, recheada com uma mistura de queijos especial (R$ 16,00). Muito, muito boa, quentinha, crocante e macia ao mesmo tempo, com boa dose de queijos. Vale a pena conferir!

Os principais:


Luana: camarões ao molho de tangerina, acompanhados de risotto de aspargos frescos (R$ 69,00) – Os camarões, enoooorrrrmes, vieram no ponto certo de cozimento e tempero. O molho de tangerina tinha corpo e cor vibrante, mas nenhum gosto. O risotto estava correto, mas poderia ter sido mais bem servido dos belos aspargos. Resumo da ópera, estava gostoso e bem feito. Mas não inesquecível ou insuperável.


Marcio: ravióli de queijo de cabra e limão siciliano, ao molho de sálvia e amêndoas (R$ 39,00) – Apesar da massa muito fina e, consequentemente, mole, a combinação do recheio ácido com a sálvia e as amêndoas é bastante feliz e casou perfeitamente com o vinho. O defeito mesmo é a massa insossa, que perde feio para a do (quase) vizinho Tappo.

Para fechar a gostosa noite, pedimos duas sobremesas:


Luana: souflé de chocolate com sorvete de creme (R$ 16,00) – O souflé veio no ponto certo, delicioso, delicioso. O chocolate amargo utilizado na massa é bem bom! Com sorvetinho, então, ficou 10.


Marcio: torta mousse de três chocolates (R$ 15,00) – A sacanagem da noite foi o tal mousse, que é idêntico ao Tre Chocolate da Forneria San Paolo. Idêntico na bela apresentação e na total carência de sabor... Em compensação, a equipe do restaurante percebeu que o doce não agradou, educadamente perguntou se havia algo de errado ou se gostaríamos dar sugestões para melhorar a sobremesa e, sem maiores cerimônias, tirou o item da conta. Mais pontos para o excelente atendimento do Zucco.


O Zucco tem ambiente muito gostoso e bons pratos. O destaque da casa fica para a completa carta de vinhos e os assados do forno a lenha. Vá sem medo, sem pressa, sem grandes expectativas gastronômicas, e curta muito!

Zucco

www.zuccorestaurante.com.br
Rua Haddock Lobo, 1416, Cerqueira César. F: 3897-0666.

Recomendamos!


Para passar bem no inverno, invista numa boa garrafa de Wolftrap 2005, vinho super aromático, leve, e ideal para acompanhar risottos e massas com molho cremoso. A relação custo/benefício, inclusive, é ótima e reconhecida internacionalmente.

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Bar do Jair


O post inaugural deste blog foi a respeito de um lugar que frequentamos e sempre, sempre recomendamos aos amigos mais chegados. Isso foi um ano atrás. Agora, voltamos a homenagear o tão bem quisto Bar do Jair, em Campinas.


Naquela casa simples, agora duplicada para caber tantos clientes fiéis, passamos vários momentos inesquecíveis, ao lado de pessoas completamente necessárias à nossa felicidade.


E não é só de pessoas amadas e boas lembranças que sobrevive nossa fidelidade ao Jair. O atendimento campeão, o clima realmente descontraído, os melhores salgados fritos DO MUNDO (isso não é exagero, de forma alguma!), a cerveja sempre gelada e a boa seleção de cachaças, fazem com que a gente conte os dias para conseguir voltar. E poder, mais uma vez, celebrar a amizade, a felicidade, os bons encontros e os bons bares, ébrios e animados pela madrugada adentro.


Na última vez, pedimos o já tradicional e necessário croquete de carne (R$ 4,20), coxinhas de mandioca recheadas de presunto e queijo (R$ 4,60) e palmito (R$ 4,70). O salgado é colossal, crocante, sequinho, e quase só recheio. E são muitas, muitas opções, para fazer a alegria de todos.

A cerveja Original nos custou R$ 5,90, a Salinas, R$ 6,00, e a tradicional, pesadinha e dulcíssima cachaça de rapadura, R$ 7,00.


Os sambistas da vez não podiam estar melhor liderados: quem comandou a noite animada foi ninguém menos que Edu de Maria, conhecidíssimo das bandas de lá, fundador do ótimo Núcleo de Samba Cupinzeiro (visite o site e entenda tudo!).

A vida é, mesmo, bela.


Obs: Para evitar ficar “séculos” esperando do lado de fora (a casa lota horrores aos finais de semana), chegue até as 20h.

Bar do Jair
www.bardojair.com.br
Rua Eduardo Modesto, 212, Vila Santa Isabel, Barão Geraldo, Campinas-SP. F: 19 3308-4825.