quarta-feira, 29 de julho de 2009

Árabe “revelação” na rua do Ouvidor


Para quem está no Rio e vai curtir a rica programação cultural dos entornos da praça XV de Novembro, no Centro, a dica é almoçar no Al Khayam, simpático e aconchegante restaurante árabe situado bem no “corredor cultural” da Rua do Ouvidor.


Como estávamos sem muita fome, ficamos no Suco Árabe (limão, gengibre e refrescância – R$ 4,50) e, para comer, trocamos os pratos por uma sequência de porções e entradas, o que se provou uma ótima escolha. Primeiro meia salada fatouche (R$ 8,80), gostosa, cheia de aromas, cores, e muito bem servida, depois meia porção de falafel (R$ 11,80), inesquecível, com certeza os melhores destes bolinhos que já provamos e, para fechar, mix de pastas (homus, babaganuj e coalhada seca – R$ 10,30) com pão sírio. O mix de pastas pode parecer o mais sem graça dos quitutes, mas foi o que mais encantou. Tudo estava muito bem feito e saboroso, o babaganuj estava impagável, e lamentamos retumbantemente quando tudo acabou.


Apesar da culinária árabe não estar entre nossas preferidas (aliás, este é o primeiro post a respeito no blog!), graças à comida excelente, ao ambiente agradável e aos preços ótimos, o Al Khayam virou parada obrigatória nas próximas visitas ao Rio de Janeiro.

Al Khayam
www.alkhayam.com.br/
Rua do Ouvidor, 16, Praça XV, Rio de Janeiro-RJ. F: 2252-6261.

terça-feira, 28 de julho de 2009

Chique no úrtimo


Achado da semana, o blog Fancy Fast Food é a prova cabal de que uma apresentação impecável não é sinônimo de boa comida (coisa que a gente aprendeu a duras penas). O FFF desconstrói clássicos do fast-food americano e os remonta como belos pratos. Dunkin' Donuts são transformados em crème brulée, combos do Burger King se metamorfoseiam em apetitosas quiches, e burritos do Taco Bell ressuscitam como um aparentemente delicioso capelete ao sugo. Além de diversão garantida, é um contraponto interessante para blogs mundo-cão como o excelente This is why you're fat e os toscos porém divertidos Insanewiches e Cake Wrecks.

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Veloso


Enfrentamos chuva, fila, casa lotada e aperto no balcão só para trazer ao blog um de nossos bares preferidos em São Paulo: o Veloso. Claro, ele é favorito de muitos conhecidos, e não é apenas nosso o privilégio de curtir caipirinhas impecáveis e coxinhas sequinhas por fora e molhadinhas por dentro, num dos lugares mais gostosos pra bater um papo de horas com os amigos. O bar é famosão, badalado, suas caipirinhas são eleitas anualmente as melhores das melhores, a coxinha só perde pra do Frangó, o lugar tá sempre cheio, e merece todo esse sucesso!

Agora, pra gente, uma das melhores coisas do Veloso é sua singular localização, num largozinho tímido e escondido da Vila Mariana. A gente até esquece que está em São Paulo por algumas horas, e isso vale muito!


Veloso Bar
www.velosobar.com.br
Rua Conceição Veloso, 56, Vila Mariana. F: 5572-0254.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

La Campagna

Campinas, além de uma bela cidade, reserva ótimas surpresas em seus arredores. Joaquim Egídio, um de seus subdistritos, que o diga. Além de várias fazendas da época do café, estrada de terra bucólica com lindas paisagens e casarões das antigas no pequeno centrinho, tem também diversos restaurantes, formando um verdadeiro ­– e benquisto – circuito gastronômico.

Entre tantas boas opções, resolvemos optar pelo restaurante siciliano La Campagna, para um bonito e gostoso post. O empreendimento, tocado por uma família italiana legítima, é encantador: um sítio muito bem cuidado, com paisagismo inspirado, mobiliário rústico e atendimento atencioso (exageradamente, diga-se de passagem...), e um cardápio inspirado na Sicília, terra natal dos proprietários. Uma carta “completinha” de vinhos de todos os cantos do país europeu e uma farta mesa de antepastos (a R$ 49,50 o quilo) completam os atrativos.

Chegamos e, sem muita experiência nos vinhos italianos, pedimos sugestões ao Davide, um dos proprietários. Ele gentilmente nos sugeriu vários rótulos, dentro da faixa de preço que estávamos dispostos a pagar. Confiamos cegamente no bom gosto do anfitrião, e nos demos bem. O escolhido foi o leve e saboroso Cent’are IGT (R$ 85,00), um típico siciliano que deu ainda mais sabor àquela tarde chuvosa no campo.

Petiscamos umas coisinhas da mesa de antepastos, mas deixamos registrado que muitos dos acepipes, por conta da exposição de diversas horas, ficam gelados e borrachudos. Uma pena, porque a variedade é incrível, e as combinações, tentadoras. Mas não recomendamos, e sugerimos aos donos que descubram um jeito de manter aquelas belezuras sempre frescas para a alegria dos comensais.

Na hora dos principais, ouvimos novamente as dicas do Davide:


Luana: penne ao pesto de pistache (R$ 32,50) - a massa, super leve e cozida no ponto exato; o molho, muito interessante e cheio de aromas e sabores. A pena é que, apesar de verdinho e notadamente cheio de pistaches, a castanha não mostra todo seu sabor, muito provavelmente pelo tanto de cebolas utilizadas para refogar tudo. De qualquer maneira, é suave, delicado e muito diferente.


Marcio: papardelle de abóbora ao molho de funghi secchi porcinni (R$ 32,50) – Não espere aquele papardelle industrializado fininho e tímido, aqui a massa é robusta e tem a largura de uma tira de lasanha. Estava tão bom que o parmesão foi dispensado. O sabor adocicado da abóbora na massa combinado com a potência do molho de funghi dispensam qualquer adicional. Um prato muito legal que, provavelmente, você só comerá por lá mesmo.

Os doces, já conhecidos de outras épocas e adorados, continuam tão maravilhosos e necessários como sempre. Delicados, frescos, impecáveis e inesquecíveis.


Luana: semifreddo de limão siciliano (R$ 13,50) - muito limão siciliano na massa levíssima, e um toque primoroso de limoncello. Para completar, cremoso, geladinho, doce na medida. Uma joia.

Marcio: semifreddo de amêndoas (R$ 15,50) – sua textura é levemente puxa-puxa e o sabor da amêndoas é bem marcante, graças a uma redução de vinho marsala e outros ingredientes que são adicionados ao doce. Uma delícia que pede para ser degustada com um café.

Vá ao La Campagna. Leve os amigos, a família, os pretês! E aproveite a natureza, a boa comida, os bons vinhos, o atendimento personalista, o tempo que passa devagar e sem pressa no campo...

La Campagna Ristorante
www.lacampagna.com.br

Estrada das Cabras, km 2,5, Joaquim Egídio, Campinas-SP. F: 19 3298-6572.

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Le Vin: Rio x São Paulo


Depois de descobrirmos que o Nam Thai do Rio é muito mais legal que o de São Paulo, ficamos com a pulga atrás da orelha e fomos testar, na nossa última visita à cidade maravilhosa, a versão carioca do nosso bistrô preferido. Então, em homenagem aos tradicionais tira-teimas do Bicho, vamos ao que interessa:

1) Ambiente – A casa do Rio leva essa. Os quadros com fotos de família (que também aparecem, mais tímidos, na unidade paulistana) e a decoração simples, rústica e cuidadosa dão um ar mais leve e informal do que no Le Vin da Al. Tietê. Já o público é o mesmo nas duas cidades, um mix de aristocracia da capital com descolados endinheirados.

2) Atendimento - Empate técnico. No caso de São Paulo, o atendimento é profissionalíssimo, rápido e impecável. No Rio, a velocidade foi trocada por cortesia, e fica difícil reclamar.

3) Indicação de vinhos – São Paulo. Ao seguir uma indicação na cidade maravilhosa, acabamos nos decepcionando com o Mommessin (R$ 100,00), um Borgonha sem grandes atrativos. Em Sampa, não costumamos pedir indicações, mas na única vez em que o fizemos, fomos bem assessorados e provamos o ótimo Banyuls para acompanhar a sobremesa de chocolate.

4) Comida – Outro empate. Ambas cozinhas trabalham com excelência. No Rio, a comida estava tão impecável quanto em São Paulo. Aliás, na casa carioca, pedimos um coelho no molho de mostarda (R$ 58,00) que estava perfeito, mais acertado do que em São Paulo, e o cordeiro cozido no próprio molho com feijões brancos (R$ 58,00), novidade para nós, que é uma delícia. Quanto às sobremesas, sem surpresas. Os profiteroles (R$ 16,00) de lá, que tanto amamos, estavam idênticos aos de São Paulo, impecáveis.


Apesar das mínimas diferenças, as duas filiais mantêm aquilo que tanto gostamos no Le Vin, o elevado padrão de qualidade. Resumindo, para quem quer uma refeição excelente, do começo ao fim, vale a pena conferir o Le Vin em qualquer uma das duas cidades.

Le Vin Bistrô Rio
www.levin.com.br/levinrio/levinrio.html
Rua Barão da Torre, 490, Ipanema. F: 3502-1002.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

A comida do Cervantes


Na nossa última passagem pelo Rio, além de curtir nossos lugares cativos, resolvemos descobri-los em todo seu potencial. Foi assim quando visitamos o Cervantes, que tem o nosso sanduíche preferido de todos os tempos, bons petiscos, e enormes pratos, que sempre nos deixavam curiosos, querendo prová-los.

Desta vez, tomamos coragem, dispensamos o nosso imbatível lanche de mignon+abacaxi+queijo, e investimos no tradicional Filé a Milanesa a Francesa - com petit pois (sim, eles não escrevem simplesmente ervilhas), presunto defumado e cebolas, e uma porção de arroz branco. A R$ 42,00. Isso é uma baita economia, tendo em vista que no prato são servidos quatro filés enormes, com muita guarnição. E tudo de primeiríssima, como esperado!

Ou seja, o Cervantes continua imbatível como um dos nossos preferidos da cidade maravilhosa. E agora, com deliciosas opções de pratos reforçados, quase rivalizando com os sanduíches perfeitos... QUASE.

Restaurante Cervantes
http://www.restaurantecervantes.com.br/
Rua Prado Junior, 335 B, Copacabana. F: 21 2275-6147. E outros endereços. Aberto até altas horas.

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Cozinhando com NoMU


Depois de procurar na Casa Santa Luzia e em outros mercados/ empórios de luxo da capital, fomos encontrar o falado NoMU na Lidador, no centro do Rio de Janeiro. Pela pequena fortuna de R$ 34,00, compramos o potinho de especiarias orientais e, na primeira oportunidade, cozinhamos utilizando o tempero.

Fizemos algo bem simples, um frango com cebolas e NoMU, para sentir bem o gosto de tudo o que vinha dentro do misterioso potinho. O resultado foi um aromático cozido, com bastante gosto de curry em pó amarelo (indiano), algumas notas de outras especiarias, como gengibre, e deliciosas lascas de aniz-estrela.

Se vale a aquisição? Sim, embora não seja nada de fantástico e muito diferente. É bem possível misturar, em casa e com bom senso, os mesmos ingredientes, obtendo os mesmos resultados, sem gastar tanto.

De qualquer maneira, faremos algo mais elaborado da próxima vez, e contaremos como o tempero chique se saiu...


sexta-feira, 3 de julho de 2009

Steiner - Bar do Alemão de Itu


Fim de semana de frio e sol, fomos passear pelas bandas de Itu, cidadezinha charmosa próxima a Campinas que, além de lindinha e tranquila, tem um dos mais tradicionais restaurantes da região, o Bar do Alemão de Itu. Pra se ter uma ideia da força da tradição, a casa foi estabelecida em 1902 (!), e ainda hoje lota aos finais de semana.

O mais curioso é que, apesar de ter vários (e bons) pratos alemães, como kassler, gigantesco antepasto com frios e salada de batatas e eisbein com chucrute, o prato chefe do restaurante é o enorme, estupendo e inigualável filé a parmeggiana. E foi atrás dele que saímos, claro!

A porção individual do filé, que vem guarnecida de arroz e gostosas batatas gomo, sai a R$ 38,50. É possível ainda pedir o prato em diversos tamanhos, inclusive a porção familiar, enorme, que deve dar para uns seis famintos. A carne, fininha, é super macia; o molho de tomates, suave, e o queijo, na medida – nada exagerado, nada fora de compasso. Perfeito.


Para acompanhar, o Bar do Alemão oferece diversos chopes e cervejas, nacionais e importadas. Fomos de chope Hofbräu, a R$ 6,70 a caneca de 250 ml. Muito bom!

Bar do Alemão de Itu
www.bardoalemao.com.br
Rua Paula Souza, 575, Centro, Itu-SP. F: (11) 4022-4284. E outros dois endereços, em Campinas e São Paulo.