quarta-feira, 30 de junho de 2010

Londres - Mr. Fish


Durante nosso primeiro almoço em Londres, experimentamos um dos pratos mais consumidos entre os ingleses: o tradicional Fish and Chips. Escolhemos um restaurantezinho simpático e de preços bacanas, o Mr. Fish, para provar essa especialidade tentadora da culinária inglesa. Para quem não sabe, o Fish and Chips reúne peixe deliciosamente empanado, frito, e batatas também fritas, num prato forte, pesado, gordo, e muuuuito gostoso!

O mais pedido por lá é o cod fish, bacalhau fresco, alto e suculento. Mas há diversos peixes disponíveis para compor o prato. No Mr. Fish, a porção média é enorme, em conta (cerca de 7 libras) e pode ser acompanhada de muitos molhos, além do também tradicional purê de ervilhas. Uma delícia completa, que repetimos o quanto pudemos durante nossa estada!

Mr. Fish
www.mrfish.uk.com
9, Porchester Road (Bayswater)
Londres, Reino Unido

segunda-feira, 28 de junho de 2010

2 anos de blog!


É isso aí. Parece que foi ontem, mas há exatos dois anos, surgiu na blogosfera o nosso Comer, Beber, Viver. Timidamente, o blog foi se estabelecendo, crescendo, conseguindo atrair vários leitores (alguns, que bom!, fiéis), e hoje já faz parte de nosso dia a dia.

Queríamos escrever um post legal, com novidades de boa comida, mas não foi desta vez. Escolhemos, claro, o lugar errado para comemorar! :o(

Foi o Mestiço, sempre badalado restaurante da Consolação, coladinho no nosso querido La Tartine. A comida estava bem ruinzinha, e o pior: preços de restaurantes muito melhores e mais finos, como Le Vin e Ici Bistrô. Então, a dica da vez é que ali NÃO FICA um restaurante de boa comida. Pode ser bem localizado, ter cardápio com mil opções, gente bonita, mas não comida que valha.


Atum ao molho de balsâmico, com legumes diversos e farfalle: O ponto da carne veio correto (apenas selado, como pedi), os vegetais e a massa, simples, al dente. Mas tudo veio coberto com azeite além da conta, além de MUITOS e enjoativos pedacinhos de pimentão. Não gostei, o resultado foi um prato pesado, forte, no lugar de uma refeição que prometia ser leve e aromática.


Curry verde de mignon com abobrinha e manjericão (no cardápio, constava como o único prato muito apimentado): não estava uma lástima, mas fracassou no sabor e no quesito apimentado. Se quiser um bom curry thai, o negócio é ir mesmo ao Nam Thai ou mesmo dar um pulo no Obá. Aqui o curry estava bem aguado e ficou sem sabor. O arroz jasmim com côco torrado em cima estava ótimo, mas não salvou a refeição.


Krathong-thong: cestinhas recheadas com frango, milho, coentro e outros temperinhos: a entrada até que valeu a pena, mas perde feio para a versão do Nam Thai (que, aliás, é maior e custa a mesma coisa).

Tomamos duas limonadas e duas águas, pois não encontramos vinho que nos animasse na carta. E, para nosso espanto, a conta ficou em R$ 150!

Mestiço
www.mestico.com.br
Rua Fernando de Albuquerque, 277, Consolação. F: 3256-3165.

quarta-feira, 23 de junho de 2010

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Nice - Nissa Socca


Saindo de Paris, rumamos para o sul da França, numa viagem linda, colorida e feliz! Nossa primeira parada foi Nice, balneário famoso bem pertinho dos luxuosos Cannes e St. Tropez, colado na Itália, lindo e ensolarado em fins de abril. Adoramos a cidade, amamos de paixão um de seus inúmeros restaurantes: Nissa Socca. Estávamos mortos de fome, já beirava as 16h, e a gente batendo perna pelo centro velho, sem encontrar nada muito atraente. Quando demos de cara com este simples, porém aconchegante restaurante italiano, e babamos nas opções do cardápio.

Nada de inventivo, muitas massas feitas na casa com molhos conhecidos, e a tradicional socca. Conhecida também como fainá na Argentina e Uruguai, trata-se de uma massa feita de farinha de grão de bico, com consistência de polenta, assada na lenha como se fosse uma pizza. Delícia, que o restaurante da cidade francesa sabe executar muito bem.


De qualquer maneira, as maiores estrelas de nossos almoços do Nissa Socca foram o talharim ao pesto (o mais fresco e saboroso que já comi!)...


... E o gnocchi da nonna, servido com uma carne de panela cozida em vinho tinto, cheia de sabor, cogumelos e caldo espesso. Um arraso!


Conta decente, serviço divertido e caloroso (depois de Paris, foi tão bom se sentir bem recebido em um restaurante!), comida simples e espetacular! Um dos restaurantes que mais gostamos na viagem toda. Então, se for a Nice, nem tenha dúvida, e visite-o!

Nissa Socca
7, Rue St.-Réparate, Vieux Nice.

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Paris - Bread and Roses


Apesar do nome em inglês, a Bread and Roses é uma padaria chiquérrima e tipicamente francesa. Croissants, sanduíches em pães frescos, deliciosos e variados, quiches com saladas, doces de enfeitiçar os olhos, preços altinhos... Tudo isso em Montparnasse, a poucos passos dos Jardins de Luxemburgo. Ótima, então, para um almoço rápido ou lanche quando for visitar esse bairro lindo e tranquilo da cidade.

Provamos duas versões da tradicional quiche, uma com queijo e cogumelos, outra com queijo de cabra e aspargos. Muito frescas, muito leves, recheio saboroso porém suave, delícia-delícia! Acompanhadas de salada verde com molhinho mais que especial!

De tão bem servidos, não conseguimos experimentar os doces que, repito, são um caso a parte! Um mais bonito que o outro, um mais apetitoso que o outro! Mas... Enooooooormeees! Fica pra próxima...


Adoramos a Bread and Roses, recomendamos muito! Tirando que o serviço é aquele fiasco, e a conta fica salgada para quem come apenas quiches acompanhadas de refrigerantes.

Bread and Roses
www.breadandroses.fr
7, Rue Fleurus (Montparnasse)
Paris

terça-feira, 15 de junho de 2010

Kantuta - a Bolívia, no Pari


O bairro do Pari possui uma grande comunidade de imigrantes bolivianos; aos domingos, membros desta comunidade se encontram na Feira Kantuta para comercializar roupas, acessórios, souvenires, alimentos e pratos típicos de seu país. Além disso, muitas famílias, bolivianas ou não, encontram na feira uma boa opção para almoçar, comprar mantimentos e até mesmo cortar os cabelos, numa das várias tendinhas espalhadas por lá.


Fazia bastante tempo que queríamos conhecer a Kantuta. Chegamos cedo, antes do meio-dia, e encontramos menos barraquinhas do que imaginávamos. Mesmo assim, foi bacana conseguir encontrar boa variedade de batatas (roxas, rosadas, pequeninas, bolotas...), milhos coloridos, pães caseiros, a gostosa cerveja Paceña, saborosas salteñas (salgados similares às empanadas argentinas) de tempero caseiro... Além de chá de coca, suco de milho em pó e outras "particularidades" que só mesmo a Bolívia...

Adoramos o passeio. Ver aquelas famílias, bater um papinho com o moço simpático da barraca das salteñas, encontrar uma toalha de mesa coloridíssima para a nossa mesa de jantar, sentir um clima diferente das outras feiras da cidade, tudo isso fez com que quiséssemos indicar a feira Kantuta aqui no blog para vocês!

Feira Kantuta
Rua Pedro Vicente, 625, Pari - Metrô Armênia.
Todos os domingos, das 11h as 19h.

terça-feira, 8 de junho de 2010

Outra receita do Jamie!


No feriado, aproveitamos para experimentar mais uma receita do livro Revolução na Cozinha, do Jamie Oliver. Nossa primeira tentativa, uma massa com couve-flor e queijos, foi matadora, e por isso vamos seguir experimentando e passando adiante as bem-sucedidas receitas do jovem chef.

Desta vez, preparamos uma Massa com Camembert Assado. Apesar de parecer gordona, a receita ficou sutil e leve. Recomendamos muito, é bem fácil de fazer e de sabor diferente das massas que costumamos preparar aqui no Brasil - tanto em casa, quanto nos restaurantes.

Preparado? Pegue um bloquinho, anote os ingredientes e corra para o mercado! O jantar vai ficar inusitado e muuuito saboroso!


[Ingredientes]*
250 g de queijo Camembert
2 dentes de alho picados
1 ramo de alecrim fresco
Sal e pimenta do reino moída na hora
Azeite de oliva
100 g de parmesão ralado
250 g de massa curta seca (pode ser rigatoni, farfalle, fusilli/ parafuso...)
150 g de espinafre fresco

[Preparo]
Preaqueça o forno em temperatura média. Faça um corte circular na casca do camembert, depois levante e descarte o círculo cortado. Acomode o alho picado sobre o queijo, ponha uma pitada de pimenta do reino e regue com azeite. Espalhe folhinhas de alecrim por cima e pressione-as levemente para que fiquem cobertas pelo óleo.

Acomode o queijo sobre um recipiente sobre uma assadeira e leve-o ao forno preaquecido por 25 minutos. Enquanto isso, ferva a água para o macarrão. Quando faltar 10 minutos para o queijo cozinhar, adicione a massa à panela e cozinhe até ficar al dente. Assim que estiver cozido, desligue a panela e adicione as folhas do espinafre, deixando cozinhar por rápidos 10 segundos.

Escorra a massa e o espinafre juntos, ponha de volta na panela e reserve mais um tempinho, até que o espinafre murche. Regue com um pouco de azeite e acrescente o parmesão. Tempere com sal e pimenta e mexa bem.

Tire o queijo do forno, leve massa e queijo à mesa, divida a massa pelos pratos e espalhe o camembert derretido por cima, a seu gosto.

*Porção para duas pessoas.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Feijoada da Bia


Neste feriado, ficamos na cidade para curtir uma São Paulo mais vazia e tranquila. Aproveitamos para conferir a Feijoada da Bia, casa especializada no prato favorito dos brasileiros que fica numa ruazinha simpática da Barra Funda.


Ligamos antes de sair e conseguimos reservar uma mesa no terraço, área mais disputada da casa. Fomos de metrô, o que facilita muito a vida. É bem fácil e rápido chegar da estação até o local. O restaurante é lindo, lindo, lindo. Acolhedor, cheio de plantas, decoração rústica e brasileira, pátio cheio de luminosidade e graça. Foi ali que nos estabelecemos, felizes!

Funciona assim: por pessoa, a feijoada custa R$ 49,00. Por esse valor, além da feijuca e dos acompanhamentos de sempre (couve fininha, arroz, torresmo etcs.), você recebe caldinho de feijão e mandioca frita. Tudo a vontade.


AMAMOS! A mandioca frita é molhadinha, macia, desmanchante - o que é bem difícil encontrar fora de casa! O caldinho de feijão também é muito gostoso! A feijoada vem separada: uma travessa com as carnes, a outra apenas com o feijão. Eu adorei tudo, principalmente o bifinho de carne seca limpinha do acompanhamento e o feijão saboroso; já o Marcio achou que faltou gosto e sustança no feijão...


De sobremesa, quindim gostoso mas sem surpresas, a altíssimos R$ 13,00.


De qualquer maneira, e apesar da conta sair bem salgadinha (R$ 177,00 para dois!), adoramos a Feijoada da Bia. Tem comida de primeira, muita cachaça pra escolher, caipirinhas bem feitas, cerveja gelada, chorinho do bom na varanda... Tudo de ótimo, para curtir sem pressa!


Obs: Fique esperto, a casa abre apenas às quartas e sábados. Outros eventos, é bom ligar antes para se informar. E quem não gosta de feijoada pode saborear um prato de peixe/ frutos do mar, sempre disponível. Quando visitamos, a opção era Bobó de Camarão, a R$ 48,00.

Feijoada da Bia

Rua Lopes Chaves, 105, Barra Funda (Metrô Marechal Deodoro). F: 3663-0433.

Paris - Les Philosophes


Na noite em que perdemos a viagem no Chez Janou, resolvemos dar uma volta pelo bairro e encontrar um restaurante mais simpático e agradável por lá. Demos de cara com o Les Philosophes, e lembramos ter lido algumas boas críticas do lugar - que, àquela altura, estava lotado, mas conseguimos facinho uma mesinha no salão.

O atendimento não é nenhum primor, mas os garçons são bem humorados e os pedidos não tardam a chegar. Experimentamos vinhos em taça a preços razoáveis para Paris (até 6 euros), dividimos uma senhora tábua de queijos (bem diversificados e cheios de texturas, aromas e sabores marcantes) e provamos um fresquíssimo e delicioso steak tartare com ótimas fritas.

Vale a pena pela animação, o calor humano, a variedade do cardápio e a excelente localização, praticamente ao lado da sorveteria Amorino e de diversos bares e restaurantes charmosos e agitados do Marais.

Les Philosophes
28, Rue Vielle du Temple
Marais
Metrô Saint Paul

terça-feira, 1 de junho de 2010

Paris - Brasserie Bofinger


Nada de bistrôs moderninhos ou restaurantes Michelinizados. Uma das nossas melhores refeições em Paris foi um jantar numa das brasseries mais tradicionais da cidade, a Bofinger. A princípio achamos que podia ser um mico, um ambiente decadente com comida mediana e serviço com aquele "charme" parisiense, mas fomos surpreendidos com a qualidade de tudo.


Primeiro, pães ótimos acompanhados de manteiga maravilhosa...


Rosé da Provence, aparentemente um "hit" da primavera, que repetimos muitas vezes...


Steak au poivre vert com batatas gratinadas. Classicão suculento, de carne desmanchante e impecável.


Bavette au sauce bernaise e batatas fritas. Mais um prato tradicional francês perfeitamente executado, com a carne macia e no ponto certo.


Incrível sorbet de maçã verde acompanhado do digestivo Calvados.


E mousse de chocolate Valrhona. Uma paulada de delícia!

Conta: 170 euros.

Sem truques, sem frescuras na apresentação e sem distrações. A comida do Bofinger é maravilhosamente simples e executada com perfeição. E é justamente por isso que gostamos tanto.

*Dias depois, enquanto tomávamos um chá de aeroporto, almoçamos na Flo Brasserie (no caso, uma "Flo Express"), restaurante da mesma rede da Bofinger, e fizemos outra excelente refeição. Eu adorei e a Luana jura de pé junto ter comido lá o melhor e mais bem temperado steak tartare de sua vida!

Brasserie Bofinger
www.flobrasseries.com
5-7, Rue de la Bastille
Metrô Bastille

Paris - Restaurant Soprano


Na quadra do nosso hotel, bem em frente a uma pracinha super agradável, ficava um restaurante italiano gracioso e com ótimos pratos. Nele também conhecemos o Aldo, o mais atencioso e simpático dono de restaurante da cidade! Gostamos tanto de tudo, que couberam um jantar e um almoço no Soprano durante nossa estada em Paris.


Tudo o que provamos por lá estava ótimo. Massas al dente e super bem feitas, molhos caprichadíssimos e com combinações acertadas, vinhos bacanas com bom custo, sorvetes caseiros de tirar o chapéu. Não tiramos muitas fotos, mas recomendamos: sorvete de chocolate e sorbet de manga; bruschettas; massa com molho de cogumelos.


No site oficial, você pode conferir o cardápio completo, assim como os preços. Uma refeição no Soprano é garantia de boa comida, bom atendimento, em local mega agradável e romântico (principalmente no subsolo, onde pouquíssimas mesas dividem espaço com decoração discreta e charmoso piano de cauda).

Restaurant Soprano
www.soprano-paris.fr
Place du Marché Ste Catherine
5, Rue Caron
Metrô Saint Paul